29 de set de 2009

Da recusa

Convidei-te para entrar:
preferiste ficar à porta.

Convidei-te para dançar (ao som do silêncio):
preferiste a segurança inerte de inócuas palavras.

Convidei-te para sermos:
preferiste ser, sozinho.

Convidei-te para alcançar estrelas:
preferiste não tirar os pés do chão.
t. prates

Imagem daqui.

37 comentários:

Talita Prates disse...

Paciência.
;)

bia martins disse...

ainda temos as estradas, certo?!

um bjo flor ^^

Talita Prates disse...

Certíssima, Bia!
Temos:
as estradas,
novos encontros,
novos convites!
:)

Outro bjo, flor!

[ rod ] ® disse...

a força do hoje... pode ter vindo dos não aceites... bjs moça.

Luciane disse...

Todo não inaugura algo novo... é só ter sempre a esperança de fazer novos convites...para ti mesma, para a vida e´para quem tu escolheres que viva essa vida ao teu lado!

marjoriebier disse...

Tem gente que só sabe dar solidão com vista pro mar...

José Carlos Brandão disse...

Triste quem não quer voar.
Para que Deus nos deu asas?

Voe sozinha, andorinha,
e verão como fazes falta,

verão como fazes mágica.
Te desejo muito amor
e belos, belíssimos voos.

Beijos.

Lara Amaral disse...

Alguns não conseguem arriscar. Melhor estar do outro lado. Bonito poema! Beijos.

Pedro Paulo disse...

Concordo com vários aqui: os nãos nos abrem novas estradas e nos dão força - assim deve ser. Por outro lado, não devemos condenar os que recusam certos caminhos, pois eles tem seus motivos. Apesar de optarem, aparentemente, por caminhos diferentes, ambos podem estar aspirando alcançar as estrelas: cada um a sua maneira. =)

Como sempre, lindo poema.

renata disse...

benditas escolhas!

então, troquei não bonita. apenas dei uma limpada. tava muito carregado de imagens. por isso a impressão de troca. rs!

beijocas.

Mai disse...

E sonhar é preciso, não?
Manter os pés no chão e a cabeça livre.
Obrigada pela visita.
Belo blog, gostei realmente.

Abraços,
boa semana!

Casa disse...

Lembrou uma música do Caetano que eu adoro:

"o quereres"

Abraço.

sopro, vento, ventania disse...

Que bonito, Talita. Fiquei triste, mas é muito bonito. Uma história. De tantos de nós.
Bjs.
Cynthia

Mahria disse...

Convidei-o a retirar-se do meu coração...

Lindo, embora tristinho.

Bjs
Mah

Lai Paiva disse...

Talita, que coisa linda. Me marcou especialmente: "Convidei-te para sermos: preferiste ser, sozinho." Bj

Ricardo Maciel disse...

Talita, muito bonito e emocionante. =)
Beijos.

Tiago F. Moralles disse...

Convidei-te a gerenciar seus próprios sonhos.
Preferiste não acreditar.
Ah os convites. Quando é a hora certa?

Talita Prates disse...

Verdade, Rodolfo... Não(s) são construtivos!

Lu, que lindo! E acho que os "auto-convites" são ainda mais importantes!

Marjorie, pois é... Uma pena!

José Carlos, que graça teu comentário! MUITO obrigada, adorei!

Sim, Lara: melhor estar do outro lado!

Pedro Paulo, bastante pertinente teu comentário! Saiba que concordo com você e que não condeno a recusa! E não tem coisa que eu respeite mais que a liberdade de cada um. :)

Re, são sempre escolhas, né. Ficou muito bom o layout; sem dúvida, mais "clean", e eu curto.

Talita Prates disse...

Mai, agradeço muitíssimo tua visita. Volte sempre, serás sempre bem-vinda!

Casa, casou!
"Mas a vida é real e de viés...
E vê só que cilada o amor me armou
Eu te quero (e não queres) como sou
Não te quero (e não queres) como és".
Também adoro essa música!

Cynthia,
de fato é uma história de todos nós, não? Quem nunca passou por isso que atire a primeira pedra! Mas sabe que não fiquei tão triste, não? Meudeus, acho que estou aprendendo a viver/elaborar/aceitar e transpor o sofrimento e ser melhor! Eba!

Mahria, que lindo! "Convidei-o a retirar-se do meu coração." Espero que esse convite ele não recuse! :)

Lai, querida, valeu!

Grata, Ricardo! :D

Tiago, quando é?! Será que a expressão certa é "certa"? Penso que tem coisas que não são passíveis de serem consideradas nem "certas", nem "erradas", mas apenas "necessárias" ou "possíveis".

Gente, muito obrigada pela visita de cada um! Bjo carinho, e até o próximo poema!

marinaCavalcante disse...

Ah, como eu queria ler esses versos, tal qual estão aí, para uma pessoa
que me tira o sono, o quieto...

=]

Adorei! Um beijo, Talita!

Wania disse...

Talita, os poetas tem raízes e asas e nunca deixarão de alcançar as estrelas, as vezes demoram a encontrar alguém que os acompanhe, mas sempre acabam encontrando!!!

DAS UTOPIAS
Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas
!
Mário Quintana

Linda poesia,
Bj grande pra ti!

Renata de Aragão Lopes disse...

Por opção,
ficou menor...

Um beijo, Talita!

Paulo Rogério disse...

Talita, a indiferença é uma das reações mais insignificantes para definir a raça humana. E próprio dos "adultos". É um não-ser. Nessas horas, é preferível mesmo ouvir estrelas, não?

Pedro Paulo disse...

Talita! Recebeu meu e-mail? rs. Enviei para a sua conta do gmail, ok? Boa noite, bjo.

renata disse...

sobre a dúvida:

sabe, sabe sim. mas ela prefere guardar sempre o que é bom dentro da caixinha. somente a maquiagem a prova de tempo, que são as lembranças.

beijos doces!

Cadinho RoCo disse...

Asim não dá.
Cadinho RoCo

pensar disse...

Oi querida,
Q lindo, mas esse nao era para ser. Calma q vem.bjs

Talita Prates disse...

Marina, leia, ora! rs. Obrigada, viu?!

Wania, obrigada! Adoro o Mário, adoro esse poema! O importante é que, como vc disse, nós, poetas, nunca deixaremos de alcançar as estrelas. :)

Re, por opção! Escolhas são escolhas, e são tão pessoais... rs

Paulo, grata pela partilha! Sejamos! Não sejamos não-ser! rs

Pedro, respondi lá...

Re, obrigada por esclarecer minha "dúvida". Rs. Talvez bem faça ela!

Hehehe, Cadinho: assim não dá mesmo! rs

Má (pensar), valeu!

Bjo querido a todos! :)

Lela (: disse...

Deixe ele com os pés no chão e voe. O céu é mais alto que o chão e lá só tem coisas boas :D

Adriana Godoy disse...

É o paradoxo da vida. Seria bom voar junto ao outro, mas melhor ainda é a liberdade de poder voar sozinha.. Lindo poema. Bj

nina rizzi disse...

aiaiai... eu nem vou mais querer nutrir expectativas :s

e na foto de perfil tá parecendo que tá na festa de colação de grau... rsrsrs

beijo.

Ira Buscacio disse...

TALITA,

DE UMA ALMA, PARA OUTRA... POESIA!

QUEM DERA, TODOS SOUBESSEM TIRAR OS PÉS DO CHÃO, AO MENOS POR UMA ESTRELA.

BEM, TO ME SENTINDO EM CASA. ADDNEI!

VOU VOLTAR...DEITAR NA REDE E POEMAR.

BJÃO

Mônica disse...

Escolhas, nem sempre as fazemos acertadamente...
Bjs

Dalva disse...

Talita,

lindo o poema,
o blog,
teu modo claro de escrever...

tudo lindo!

Uma noite de paz!

Bjs.

NDORETTO disse...

_______Recusa bem escrita!

abraços

neusa


http://poesiarapida.blogspot.com

Anônimo disse...

Oi Talita, voltei para apreciar melhor seu blog e passo a acompanhá-la também. Sua poesia é delicada, num sensível versejar. Bj.

Adriana Karnal disse...

que triste ,não? não tirar os pés do chão qd se pode ter as estrelas...gostei demais Talita

 
;