8 de jul de 2009

Da poética feminina


Poetas escrevem poemas.
Poetisas os geram,
os cosem
cozinham embalam nutrem limpam asseiam procriam.

São filhos legítimos
(mãe não tem filho bastardo!)
da puta-e/ou-santa-que-os-pariu.

T. Prates

>>> Minha homenagem amadora (julgarão vulgar?) a Adélia(s), Cora(s), Cecília(s), Clarice(s), Flora(s), Lou(s), Emily(s), Ziza(s)...

(Quão pequena é esta lista...
Penso que é porque mulheres têm muitos afazeres.)

19 comentários:

Julio César Carvalho disse...

Fantástico!!
Uma imagem que casa perfeitamente com o universo poético feminino. Imagens de cabeças sacudidas, cabeças diferentes, mas com olhares ampliados. Um olhar diferente, outros pontos de vista, lentes que melhoram nossa visão! Assim são as poetisas...
Parabéns!! Lindo demais!!
bjo!

Kenia Cris disse...

Forte como o verso feminino deve ser pra sobreviver no universo poético ditado pelos homens. Impossível saber como funciona a criação deles, mas a nossa, é gerada assim mesmo como você descreveu de forma tão bela e sucinta.

Beijo carinhoso!

Mahria disse...

Nada de vulgar amor. Realmente, como vc pensou bem, os poetas com certeza nao sentem as dores do parto de um poema a nascer...


Bjs!!!

O Profeta disse...

Haverá?! Há sempre uma deusa perdida
Nos labirintos da contradição
Há sempre alguém que usa a palavra amor
Soprando doce veneno ao coração
Há sempre alguém que nos diz coisas tontas
Há sempre alguém que afugenta a Saudade
Há sempre alguém que nos marca a ferro frio
Há sempre uma alma ausente da verdade

Boa semana


Doce beijo

Renata de Aragão Lopes disse...

Lindas a ideia e a homenagem!

Lembrou-me um poema que amo
e que, por isso, registrarei aqui:

"Que intimidade ancestral
têm as mulheres
não apenas com legumes
lençóis talheres
e comprimidos.
Que baús trazem no útero
que universos perdidos
que pérolas nos olhos
que pencas de suspiros
como se os mínimos objetos
fossem também seus filhos."

"Minha Mulher e as Filhas",
de Affonso Romano de Sant’Anna,
extraído do livro Vestígios,
publicado pela Editora Rocco.

Um beijo, querida!

Nuno G. disse...

fantástico o teu modo de escrever!

Luciane disse...

Lindo mesmo, Talita.Obrigada por encher a alma da gente de imagens belas!
Beijão!

Marcelo Novaes disse...

Talita,


Bonita homenagem. Nada de vulgar.




Beijos,








Marcelo.

Lela (: disse...

Adorei esse Blog (:
vou seguir!

Beeeijo! :*

Adriana Godoy disse...

Adorei mesmo!! Arrasou. Beijo.

lili disse...

realmente... as mulheres se desdobram nessa vida. mas acho que no fim vale a pena, não é?
obrigada pelas palavras no meu blog.
paz no coração. :)

Luana Ferraz disse...

Talita, eis uma verdade permeável...

Um beijo

Bea - Compulsão Diária disse...

Eita, olha que homenagem às poetisas. Não somos poetas não.

Poetisas . Poetisas. Se é que spou uma delas.

adorei isso!

Beijo

Márcia(clarinha) disse...

Vulgar? Não flor! poética homenagem para uma vasta lista de mulheres,onde cabem Hildas, Florbelas, Lias, Fernandas, Elisas, Alices e tantas anônimas que pariram poemas...

lindo dia flor
beijos

Nathália E. disse...

Se você não escrever um livro eu escrevo por você. Mas te dou todos os créditos. E o dinheiro da venda, né? Hahaha

Beijo!

R.Vinicius disse...

Talita "A mulher em si é um poema. Grande parte dos homens só não sabem apreciar."

Abraço,
R.Vinicius

Jéssica V. Amâncio disse...

Ameeei! Poucas palavras que dizem muito!

Tiago F. Moralles disse...

Bonito trabalho "menininha".

Paulo Rogério disse...

A poesia feminina é um filho muito bem gerado!

 
;