9 de mar de 2010

Da conjugação


peço que me ames
sem tempos ou modos

(o pretérito já partiu.
o presente é tão frágil,
o futuro será sempre depois.)

caso queiras me amar,
que tu possas, junto a mim, fazer da dúvida
um caminho de descoberta
das pequenas certezas necessárias.

peço (pedir não custa) que me amar
seja imperativo
na liberdade do teu desejo.

inventemos um tempo nosso, meu amor
: o presente do infinito.
t. prates

33 comentários:

Talita Prates disse...

Agradeço meu grande amigo Julio pela leitura e crítica prévias.
Valeu, Julião!

Marcelo Novaes disse...

Talita,



Esse tal eu lírico parece, deveras, apaixonado. Mas amar esse eu não será imperativo, se o leitor já ouviu [e assimilou] Jota Quest:


"A nossa liberdade é o que nos prende".


[Lá lá lá lá]





Beijo.

Lara Amaral disse...

Hum...

Adorei esse tempo

esse poema

essa imagem...

Transportei-me!

Beijos.

marinaCavalcante disse...

"peço que me ames
sem tempos ou modos"

"peço (pedir não custa) que
me amar seja imperativo
na liberdade do teu desejo"

"inventemos um tempo nosso,
meu amor: o presente do infinito."

E, mais uma vez, que bonito!!!

Parabéns, Talita!

Ah! Quanto ao "presente" aí...
provocou duas conotações, né?
Ótimo!


Bjo grande!

marinaCavalcante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Caio Rudá disse...

Impecável!

Julio César Carvalho disse...

How!!
Como viver a palavra amor ao pé da letra? Tantos tempos, perfeitos, imperfeitos, defeitos... O que há de errado com o verbo amar?
O melhor é a descoberta conjunta e enquanto ela não vem... vamos inventando tempo, modos. Um dia a conjugação sai!!

Ótimo!! Perfeito!!!
Imagem mto bela!! Completa o sentido!!
Parabéns!!! gde bjo!!

Julio César Carvalho disse...

How!!
Como viver a palavra amor ao pé da letra? Tantos tempos, perfeitos, imperfeitos, defeitos... O que há de errado com o verbo amar?
O melhor é a descoberta conjunta e enquanto ela não vem... vamos inventando tempo, modos. Um dia a conjugação sai!!

Ótimo!! Perfeito!!!
Imagem mto bela!! Completa o sentido!!
Parabéns!!! gde bjo!!

José Carlos Brandão disse...

Talita, gostei. Estamos condenados ao amor sem limites.
Beijo.

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Talita, passei lá na Confraria e estou aqyu conhecendo seu cantinho também...parabéns por lá e por aqui...
Bacana a iniciativa de vocês...deixei lá uma dica de um texto sobre o bobo...que não tenho certeza de quem é a autoria, mas vale a pena...
Parabéns pela sua escrita...
Um abraço na alma...bjo

marjoriebier disse...

Precisa mesmo comentar?

Fico com meu verbo... teadorar... para dizer que é só o que penso quando você escreve assim.

beijos beijos beijos

Rafael disse...

Muito bom, Talita, bem delicado.
Apesar de gostar de coisas mais "fortes", seu poema me tocou...
Bjs

J.F. de Souza disse...

"um caminho de descoberta
das pequenas certezas necessárias"

mas ñ é a gente que inventa essas certezas? =P

Ana Marques disse...

E o tempo inventado
por quem se apaixona

é o único tempo
existente.

Tá lindo, claro... mas vindo de você o que mais eu poderia esperar!

Beijo, querida.

Renata de Aragão Lopes disse...

É, Tatá...
Confirmo que você
tem andado inspiradíssima! : )

Um brinde
ao "presente do infinito".

Beijo doce de lira!

Franzé Oliveira disse...

O amor assim desse jeito.
Impossível?
Imaginário?
Sei que amo agora no presente.
Invente sim um tempo seu.
Melhor maneira de viver o amor.

Beijos menina.

Rafaela Figueiredo disse...

aiii, q isso tá lindo demais!
presente do infinito é tudo q devíamos conjugar! =)

beijobeijo, amada

Pedro Paulo disse...

Eita foto, eita poema! O trem tá pegando! hehehe. Bjo querida! =)

Eduardo Trindade disse...

Que lindo, guria! Adorei, que forma mais encantadora de se declarar!
Estou sem palavras, por um instante parece que todas já foram ditas...
Abraços e obrigado por proporcionar a nós, teus leitores, primores como esse!

Eduardo Trindade disse...

Que lindo, guria! Adorei, que forma mais encantadora de se declarar!
Estou sem palavras, por um instante parece que todas já foram ditas...
Abraços e obrigado por proporcionar a nós, teus leitores, primores como esse!

Úrsula Avner disse...

Lindo poema Talita ! Seus versos são sempre reflexivos, de intensidade lírica. Encaixou-se mesmo ao " do que é (in)finito "... Bj e um ótimo fds.

Úrsula

Luh* disse...

só é preciso de um amor né?!
beijos

Nydia Bonetti disse...

Mais que perfeito - Indefectivo. Lindo. :) beijooos.

Gaby Soncini disse...

Perfeito *.*

Talita suas palavras são mágicas!

Grande beijo.

Fabio Rocha disse...

Não é que gostei? :) Final perfeito... Bjs

Assis Freitas disse...

Alguém disse que o amor não precisa de casa, só de asas para ser livre. Abraço

Maria João disse...

É diferente e especial o que escreves, acho que já uma vez o disse. Se a paixão te dá inspiração, pois bem... que ela te faça livre e feliz também!

Um beijinho

Wania disse...

Talita

Que delícia conjugar todos os verbos neste "novo tempo"... que o tema de casa não acabe tão cedo...rsrs!

Linda poesia!

Bjs, amiga!

sopro, vento, ventania disse...

Querida,
que talento é esse que faz até de um tema árido, os tempos verbais, uma expressão de afeto, de prazer e de alegria?!?!
você é, sempre foi, uma musa inspiradora!
Beijos no seu coração, minha gratidão por suas constantes palavras de afeto no meu espaço e meu carinho eterno (no presente do infinitivo).

Lai Paiva disse...

Talita minha querida, vou te dizer uma coisa, esse poema me impressionou muito. Nooossa, que perfeição. Não teria as palavras exatas pra descrever o que achei. Lindo demais. Cecília, Clarice, Neruda, Vinícius, todos, bateriam palmas à vc. Bjs querida.

[ rod ] ® disse...

Eu vi o 'eu' nascer e vi o quanto és imensa. Admirar-te é fácil demais moça! Escrever com o bom do amor, mesmo que se a ele nem tenhamos mais.. bjs e até a Confraria amanhã!

Paulo Rogério disse...

Talita,
Esse é o tempo que a gente mais declina e em que a gente mais tropeça... Sãos os degraus da sabedoria e da felicidade...
Bj!

Geraldo de Barros disse...

Talita, que lindo,

adorei, parabéns!


=)

 
;