5 de dez de 2009

Do(a) desfeito(a)


...
é que estou tentando calar
esse poema de amor
(de-amor?)
(de-des-amor?)
cujo começo
"Ousaste despertar em mim
uma esperança vã"
já me desagrada;
desagrada-me -
agora -
falar da esperança vã;
desagrada-me esse tema -
teimoso -
pois que agora -
e daí pra frente -
eu quero falar
(eu quero viver!)
da (a) realidade - sã.
t. prates

Imagem própria.

33 comentários:

Fabio Rocha disse...

Se descobrir como riscar na alma também, me avise... :)

Rafaela Figueiredo disse...

boa! tô, tb, com o Fabio! o/

beijo, flô

Lai Paiva disse...

Talita,não tente calar esse ou outros poemas de amor.... Eles são tão aprecisáveis querida. E se o amor não pode ser vivido e dividido, que seja descrito!!! Bjs querida.

marinaCavalcante disse...

Também não gosto deste
tema, mas por vezes me
vi movida a escrever
pelo tal. =)

Tão difícil conter um
sentimento, não é?!

Gostei das linhas que,
aqui, li.

Um abraço!!!

*Espero sua visita.

marinaCavalcante disse...

Ah! Concordo plenamente com
as últimas palavras de Lai Paiva.

Se não podermos viver
um amor em sua plenitude,
que possamos dividí-lo em
vários gomos cada qual com
os mais belos versos.

=*

Renata de Aragão Lopes disse...

Talita,

isso não é curioso?
Há versos que nos "martelam"!
(risos)

Escreva.
Ainda que não queira.
Ainda que preferisse
outro tema.

É como a vida.
Precisamos segui-la
ainda que em realidade
diversa da desejada...

Um abração, querida!

Os versos e os momentos
mais queridos virão,
decerto, na hora devida. : )

sopro, vento, ventania disse...

Talita, tenho sido levada por essa via amorosa ultimamente também, não sei se está no ar, mas que é bom (e necessário) é.
beijão.

OBS.: posso colocar o link com o endereço de seu blog no meu, naquele poema namastê?
bjs.

Kiara Guedes disse...

ainda prefiro e insisto, melhor a desilusão do que não viver... sentir é meu roteiro!

Hammelinn disse...

linda poesia amiga
muy linda

un placer venir x tu blog

un abrazo

Fede Hammelinn

*****************************


NOCHE Y CRUZ (fragmentos)

Cuando persigue el hombre sin cesar al hombre
la misma trampa sirve para el uno y el otro
la misma ausente mano
hace cortar el cuello del lobo y de la tórtola.
Y la rutina ordena
con más rigor que la pasión difunta.
Cuando persigue el hombre en cada sitio al hombre,
a los unos da muertes que no serían la suya,
al uno quita el alma, al otro sepultura.
Una metralla ciega hasta en los muertos cava
y la mano de un niño cuelga de frescos olmos.
En súbito tumulto
se incendia la noche desde adentro.
Se reduce el antiguo lugar para la sombra,
como muros y troncos se parten las tinieblas.
Desaparecen ellas, las casas y los bosques.

Susana Soca (Montevideo,19 de julio de 1906 - Muere en accidente aéreo en Río de Janeiro,11 de enero de 1959)

[ rod ] ® disse...

amor é amar em terreno ser... onde o vão que se abre junta as essências... bjs moça... lindo o que dizer.

Lara Amaral disse...

... até que a fantasia insana nos atormente de novo.

Adorei, amiga!

Beijos.

Marcelo Novaes disse...

Talita, querida,


Percebi, em ti, visível
desafeto pelo verso
inicial em tom
parnasiano...



Como ousaste arrancá-lo,
assim, de nossos olhos?!






Beijos,







Marcelo.

pensar disse...

O amor te segue
E a ele siga.

ps: amor nao esta ligado com dor, o amor esta dentro, o amor inunda.
Bjs

Franzé Oliveira disse...

Tentar calar um poema
Tento calar um amor verdadeiro
Que não me ouve
Não me ver
Que quero viver...

Bjos menina linda

Edith Janete disse...

O amor se foi?
Então é ponto.
Ponto final.

Assim facinho sim!

marjoriebier disse...

"Sangrando toda palavra sã..."

Beijo, bonita!

Geraldo de Barros disse...

Talita, gostei muito da história da sua alma, não conhecia esse seu "cantinho", passei para agradecer a visita e acabei encontrando esse espaço agradabilíssimo, não perco mais esse caminho, pois ainda quero ouvir muito o que sua alma tem a dizer :)

Beijos e uma ótima semana,
Geraldo.

Talita Prates disse...

queridos Fábio e Rafa:
eu sei que não é fácil!
(se sei!),
mas é possível sim!

bjos.

Talita Prates disse...

bom, eu tenho "fé"... rs.
e muita "força de vontade".
e muita determinação.

Ai. rs.

Talita Prates disse...

Ah, Lai, não sei... Cansa, né, essa repetição. rs. Um bjo!

Marina, que bom que vc me entende. Rs. To indo lá. Bjo. :)

Rê, sempre tão sábia e pertinente... Obrigada pelo carinho, amiga.

Cynthia, se pode! A honra é minha, querida. Bjo.

Kiara, é que eu quero a esperança plausível. Um bjo.

Fede Hammelinn, su visita aquí es un placer! Saludos agradecidos. Abrazos. :)

Talita Prates disse...

Rod, lindo é te ler. Obrigada. :)

Larinha, isso! rsrsrs. Bjo, querida.

Marcelo, ousadia primeira é tentar arrancá-lo da minha alma... Bjos, querido colega.

Ma (pensar): e se amor só tiver cor com dor? (tipo (b)ônus?). Grata por vir! :)

Franzé, como disseram acima: se descobríssemos como riscar na alma também, assim, facilmente, né...? Bjo!

Edith, facilitar ou complicar pode estar nas nossas mãos, né?! Eu acho. Bjo! :)

Marjorie, bonita, era sobre esse poema que eu havia comentado com vc (triste sina de ser poeta de um tema só... rs). Bjo, frô!

Geraldo, sê muito bem-vindo! Conheci o seu espaço por indicação da Lara Amaral! Espero mesmo que voltes mais vezes. Um bjo. :)

renata carneiro disse...

esperanças gostam sempre de voar, né?
e o que é da (a) realidade são gosta de se fincar no chão.

tento ouvir os dois lados...

um beijo, bonita!

ticoético disse...

não cales,não deixa essa realidade sã despertar-te da loucura q é o amor ou o desamor,enfim,belo poema.
abraço !

. fina flor . disse...

que bonito, querida!!

adorei a imagem da pessoa começando o poema em nós....

beijos

MM.

renata carneiro disse...

tem selinho pra você no meu blog, flor!
um beijo.

marjoriebier disse...

Hoje homenageamos a nossa veia Clariceana... tem um post lá no meu blog.

Um beijo

A Moni. disse...

Tão inteiro e tão tátil, que inunda o canto do olho...

Amor não podia rimar com certas palavras, viu... que coisa!

Beijos Talita!

Maria João disse...

Talita...

Entre a esperança no que se espera e a certeza do que se tem, fico-me pela certeza do cheiro a terra que me faz acordar sempre que fico triste.

Gosto muito da forma como escreves!
or isso adorei visitar-te...
Um beijinho

Everton Oliveira disse...

Belo poema.

Já sofri com o amor, já comecei poemas de amor e os risquei. Até porque nunca tive muita afinidade com as rimas, rs. Mas dizem que a tristeza nos faz ficar mais introspectivos, enquanto a alegria nos dispersa. A maioria das grandes obras, pelo que me parece, começaram em poemas de amor não terminados.

Mas graças a Deus,faz tempo que não passo por situações semelhantes.

Bjs.

Talita Prates disse...

re, bonita, boa!: tentar ouvir os dois, né? Bjo. :)
(e MUITO OBRIGADA por mais um mimo! ;))

"Ticoético", a loucura, só, cansa. rs. Quero um pouco de sanidade agora. rs. Muito obrigada por vir! Espero que volte mais vezes. Um bjo.

Mônica, linda, que bom que vc veio! \o/

Máaa, viva Clarice mil vezes! \o/

Pois é, Moni, querida... Mas ele teima em rimar... rs. Lutemos pelo amor são. rs. Bjo grande!

Maria João, esse cheiro é são! Que legal, tua partilha... Fico feliz que tenha gostado. :) Bjos além-mar.

Everton, faz sentido o que vc disse sim... Mas quero conciliar a sina de um poeta que -ainda poeta - foi uma pessoa feliz e realizada (na vida e nos amores). Boa sorte da tua caminhada! Um bjo. :)

Caio Rudá disse...

Ai, você me confundiu com tantos parênteses. De confuso já basta o amor :S

adolfo payés disse...

Siempre es un inmenso placer leerte..
Suerte en todo..

Te dejo mis mejores vibraciones de paz para estas fiestas..

Un abrazo
Saludos fraternos..

Que tengas una maravillosa semana..

Pd:Por problemas de salud estuve ausente estos últimos días,
ya me pondré a la altura de sus blog para comentarles..

Pido disculpas por no poder pasar por sus blogs..

Gracias

Nydia Bonetti disse...

Nossa, Talita... Ando perdida de você. Mas já estou conseguindo atualizar as leituras. Menina, este poema... Também tomei decisão parecida. Viver é mesmo sempre melhor que sonhar/esperar.

beijo!

 
;