18 de dez de 2009

Da poesia nossa


no instante mesmo
em que for colocado
o ponto que
(grafica-mente)
finaliza este poema,
ele já não mais
me pertencerá
.

se não for minha-e-tua,
a poesia não é poesia:
é quimera muda
...





A verdade de um poema não está
apenas no que a alma-poeta quer dizer:
importa - tanto quanto -
o entendimento particular da alma-leitora.

27 comentários:

''Tay' disse...

Adorei *-*

Rafaela Figueiredo disse...

perfeito, li!
a poesia é mesmo um convite: quem lê... participa.

beijobeijo
bom fds!

[ rod ] ® disse...

Deveras um dia eu mesmo já dissera: "Não adianta saber o que fazer se o bom mesmo é fazer a dois" e na poesia não é diferente. Sem dois, mesmo que distantes, ela morre. Bjs moça admirável.

.Leonardo B. disse...

[letra muda de mão para mão como átomo de oxigénio que alimenta a vida - alma que vive, não por si, mas em si!]

um imenso abraço, Talita
que de quatro se fazem dois braços

Leonardo B.

Franzé Oliveira disse...

A poesia é muda
A poesia é fala
Hora cala
Hora escancara
A poesia
É sentimento
Aberto
Fechado
A poesia é infinito
Como também é finito
A poesia
É poesia
Mais nada


Bjos menina inspiradora

Tiago Moralles disse...

Sinto-me aqui.
Em tuas palavras.
Posso ficar?

Lara Amaral disse...

Vc doa palavra, sentimento, alma e nem pede nada em troca. Quão bonito é este poema, está no meu top 5 dos seus =).

Vc é linda, principalmente quando se mostra assim.

Beijos.

ticoético disse...

concordo contigo,mas vô ainda mais além,acho q o legal de algumas poesias é permitir que as "almas leitoras" voem dentro do significado real das palavras nelas postas,mas enfim,bela poesia.
abraço !

Hercília Fernandes disse...

Também compartilho dessas sensações e ideias, Talita.

Belo o seu poema-metalinguístico.

Beijos :)
H.F.

Lai Paiva disse...

Talita, que seja nossa a poesia, sempre. Bjs querida.

Pedro Paulo disse...

Nossa; muito bonito. Ainda mais agora, depois de rever um filme que tem tudo a ver com a poesia que é feita por duas pessoas - nada de quimera muda. Poesia...

renata carneiro disse...

as vezes, deixa calar...

beijocas!

sopro, vento, ventania disse...

Talita, que eu posso falar? você é GRANDE! um beijo (do tamanho de seu talento e humanidade).
BJS.
Cynthia

Nydia Bonetti disse...

Assim as palavras. Depois de ditas, ninguém pode retê-las. Ganham vida e seguem...

Beijos, Talita! Feliz Natal!!!

Lisa Alves disse...

A Criatura depois de solta pertence ao mundo e só o mundo pode para-la com suas fronteiras.

Usuale disse...

Oi! Tem um site muito bacana que possui mais de 50.000 acessos ao dia e fazem parceria com blogs/sites, vale a pena! Eu já fiz o meu!Só lembrando que você tem que como se trata de uma parceria você tem que colocar o selo deles também no seu blog/site também que você pode pegá lo no mesmo link abaixo!Senão você não receberá acessos!

Aí vai o link: http://www.guiademulher.com.br/enviar_blog.php

Feliz Natal!

Renata de Aragão Lopes disse...

Verdade, amiga!

A poesia,
quando concluída,
pertence ao mundo.

E cada um
a interpreta
à sua maneira.

Eis a magia... : )

Abração pra você!

marjoriebier disse...

A verdade é que um poema só passa a existir depois de lido.

Um beijo, Tá... difícil a gente se esbarrar no msn, hein!?

Feliz Nataaaallll!!!

Emerson Souza disse...

Texto perfeito.
Aproveito pra te desejar o melhor natal de todos pra te preparar para um novo ano de cinema (o gênero fica por sua escolha).
Bjus.

A.S. disse...

Que teu Natal seja repleto de luz... daquela que acendemos por dentro e que a tudo irradia em forma de sentimentos.


Beijos...
AL

José Carlos Brandão disse...

Tem razão, Talita.
A arte só existe in actu.
Sem o leitor, a poesia é letra morta.

E lhe desejo um feliz Natal, com as alegrias da encarnação de Cristo entre os homens.

O amor de Deus nos dá todos os motivos para sermos felizes.

Um beijo.

Maria João disse...

Talita

No dialogo que se estabelece, perpectua a palavra, que transformada se faz nossa. Constructo de sentires e vivências assim é a poesia, do poeta que a escreve e daquele que a interioriza.

Um beijinho

marinaCavalcante disse...

Muito bonito, Talita!

Concordo plenamente.

E que seja nosso este poema!

Grande abraço!

Marcelo Novaes disse...

Talita,



É nossa!


;)





Beijos,






Marcelo.

BAR DO BARDO disse...

Poesia é libertação...

Talita Prates disse...

Tay, que bom!

*

rafa-lóri: só é convite! rs

*

Rodolfo, adorei esse a dois! rs

*

Leonardo, que legal! Outros abraços.

*

Franzé, poesia infinita: gostei!

*

Tiago, fica! Honra!

*

Lara, que top, teu comentário!

*

Ticoético, que as almas, todas, voem!

*

Hercília, que feliz por ter vindo.

*

Lai: nossa, sempre!

*

Pedro, eba! poesia!

*

re, bonita!

*

Cy, e você! Nem cabe!

*

Nydia, palavras voadoras, amém.

*

Lisa, é verdade.

*

Re, a poesia só é concluída dentro de cada um, né.

*

Mar, só depois, mesmo.

*

Emerson, obrigada! Cinema? Eba! rs

*

Albino, salve!, essa luz! Quero mesmo dela! Pra ti tb!

*

José Carlos, e o que os poetas quererem é letra viva, não é?! Obrigada, poeta!

*

Maria João, é isso!

*

Marina, que seja! :)

*

Marcelo, que bom que é nossa! :D

*

Henrique, se é...

*

OBRIGADA A TODOS POR VIREM!
Bjo e paz. :)

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

em, descobri esse teu outro blog, e, poxa, muitos sentimentos foram remexidos, mesmo. Gostei especialmente deste, pq tenho pensado muito nessa história de propriedade autoral. Se um dia eu escrever sobre isso, citarei seu poema, que simplifica, de modo magistral, o que penso.

 
;