16 de out de 2009

Do silêncio fecundo



Há silêncios que são fecundos,
porque dizem do indizível.
Destarte,
posso falhar como poeta
(porque desse se espera sempre a expressão),
mas ganhar como pessoa que é
(e que busca o melhor do ser).
Pois que existir, sendo,
é das tarefas mais laboriosas.
Assim, calo-me:
não por falta de inspiração,
mas para fazer gritar o silêncio.
t. prates


Imagem daqui.

43 comentários:

Talita Prates disse...

É que "o caminho para todas as coisas grandiosas passa pelo silêncio." (Nietzsche)

:D

Mahria disse...

"Já tenho quase tudo que me basta
a flor no pasto, a mesa posta
minha música e teu calor
agora só me falta aprender o silêncio...'

(Zeca Baleiro)

Sim, fique em silêncio. Mais não por muito tempo, preciso de você gritando aqui suas poesias.


P.S

Querida o meu blog, por enquanto nao mudou de nome, mas estou perdidinha, passa la pra vc ver e me der sua opiniao.

Mah

Mai disse...

Sim, Talita,
no silêncio há gritos, sussurros, sentidos.
Há sons que o silêncio emite e guarda.
Abraços, e bom final de semana.

Lisa Alves disse...

E então ele disse:
Só preciso que saia da frente do meu sol!

Caio Rudá disse...

Indizível? Muito lacaniano...

Renata de Aragão Lopes disse...

Querida,

você e sua belíssima
inclinação filosófica...

"Pois que existir, sendo,
é das tarefas mais laboriosas."

Um abração,
doce de lira

Pedro Paulo disse...

Haha! Você é demais, linda! Te entendo, profundamente. Sobre o poema e principalmente ao que disse aqui na página de comentários, parafraseio também Nietzsche. Não tenho a mínima ideia em qual livro dele li isso, nem sei se está escrito exatamente deste modo, mas a ideia é a seguinte:

"Tudo que é profundo exige um véu"

...

Observação-devaneio: as reticências, frequentemente, são véus.

Úrsula Avner disse...

Oi Talita, lindo, sensível e profundo poema. Bj.

Mônica disse...

O silêncio tem sempre o que nos dizer, principalmente o que não queremos ouvir.
Bjs

Lai Paiva disse...

Talita, cada vez que te visito me surpreendo mais com seu dom da escrita. Vc é enorme em expressão, em inspiração. Parabéns mesmo.

E, olha, muito obrigada, sempre, pelas palavras tão bem colocadas nos meus momentos de perda de sentido... Bjs

Everton Oliveira disse...

Poema belíssimo.

Sábio(a) é a pessoa que entende que há momentos onde o silêncio fala mais do que as palavras.

Bj.

bordadosdemim disse...

À eloqüência do silêncio, apenas aceno em total aprovação, posto que o aplauso poderia abafar esse grito que ecoa tão poeticamente. Bravo!

Beijos mil

Ariadna Garibaldi

Katrina disse...

Como poeta, eu sempre falho

lírica disse...

Talita
Teu silêncio é tão belo!
bj

Lara Amaral disse...

O silêncio gritou, pois o seu "existir, sendo" já declarou toda a dificuldade que há nesse ato.

Gostei, Talita. Identifiquei-me muito. Beijos.

Paulo Rogério disse...

Belo! E você já contestou tudo o que seja apenas ruído...Beijos!

Solange Maia disse...

Talita,

Que texto mais lindo...

Para ler e silenciar...

amém.

beijo

Wania disse...

O silêncio dos poetas sempre fala muito...

Este teu, não foi diferente, Talita!



Bjs

Franzé Oliveira disse...

O silêncio diz muita coisa.
Veja a natureza.
Trabalha sempre em silêncio.
E é tudo muito lindo.


Bjos menina.

daniela b disse...

bela poesia.
o silêncio é maravilhoso.

i ILÓGICO disse...

'aqui'
Nego até a morte o desprazer de não te dizer
Abro meu abraço e te abarco neste ser
Abaixo da mentira que me diz estou eu
Seguro o véu pelo instante de ver
A passagem fecha depois que entro
Retorno do nada
Canso de pensar quatro vezes
Antes de olhar por trás de mim
E você não está aqui.


litinha, adorei sua poê. lembrei desta minha...
beijos, na Paz

José Carlos Brandão disse...

Parabéns, Talita. O silêncio é um tema muito fecundo. O silêncio é fecundo. É condição essencial para a interioridade da oração. É quando o homem se esvazia de si e chega a Deus.
Um ótimo fim de domingo para você.
Beijo.

Tiago F. Moralles disse...

O silêncio sempre tem muito a dizer.

Nydia Bonetti disse...

De certa forma, nossos poemas dialogam. Em profundo silêncio. :)

Beijo, Talita. Boa semana!

sopro, vento, ventania disse...

Bom demais, Talita. Adorei! Às vezes é preciso calar, e calar assim, na calada da poesia, é tão bom e muito melhor que se ver calada por conta da realidade que fere e fere.
Vê, agradeço muito os seus comentários carinhosos, atentos, pertinentes. Muito bom saber que aqui, nesse espaço virtual, há comunicação em tempo e sentimento reais.
Um grande beijo

Talita Prates disse...

Agradeço na verdade do meu coração a presença e partilha de cada um de vocês.
Obrigada mesmo.
Um bjo grande e grato a todos.
:)

marjoriebier disse...

Ohhlala!!!

Adorei!!

renata disse...

e como ele grita!

beijocas doces, bonita.
ótima semana pra você também...

Luciane Slomka disse...

Lindo, lindo, lindo... Quando soltares tua voz, que seja para deixar todo teu silêncio se expressar! Coisa boa te ler! Beijos e uma otima semana!!!

"Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania. Depende de quando e como você me vê passar..." (C.L.) disse...

o que fazer sem os sábios, não?! - ainda que digam que nada sabem...

tb confio plenamente na premissa! =)
lindo, Li!

beijo

Ricardo Valente disse...

muito bonito, talita!

beijo!

Caio Rudá disse...

Que é isso, minha cara? Burra? Só se isso agora denota poeta dos bons.

Difícil falar sobre nossa própria poesia, mas acho que na medida do possível minha mensagem é clara, embora exagere na intertextualidade de alguns poemas. Ainda assim, creio haver uma coerência interna...

Sobre Lacan, agora quase não tenho dúvidas sobre sua orientação psicanalítica :D
Como graduando do 4º semestre ainda, vou ser humilde para dizer que conheço pouco de Lacan. Mas se permite uma opinião, não o acho fantástico. Sua obra per se, ao que me parece, é um tanto prolixa. Acho que sua grande contribuição está na releitura que proporciona de Freud, a qual se mostra muito mais consistente com os adendos de Lacan. Se bem que, com uma matéria que estou pegando atualmente, estou chegando à conclusão de que a genialidade de Freud só precisa de uma interpretação apurada para ser percebida, e não um mediador.

Uai, como ficou extenso isso...

Adolfo Payés disse...

Un gusto inmenso conocer tu blog.. me ha gustado mucho. acogedor y tus versos son maravillosos, te sigo para poder leerte con mas frecuencia.


Un abrazo
Con mis Saludos fraternos...

Talita Prates disse...

Bonita Marjorie, feliz por te ver aqui.

Que grite, né, Re? Bjo, bonita!

Lu, coisa boa tb é ter tua partilha por aqui, viu.

Rafa, e eu confio na premissa de Sócrates! rs :)

Ricardo, obrigada! :D

Emerson Souza disse...

Silêncio respeitado.
Bjus.

Talita Prates disse...

Eu tenho à medida que designo__ e este é o esplendor de se ter uma
linguagem. Mas eu tenho muito mais à medida que não consigo designar. A realidade é a matéria-prima, a linguagem é o modo como vou buscá-la __ e como não acho. Mas é do buscar e não achar que nasce o que eu não conhecia, e que insistentemente reconheço. A linguagem é o meu esforço humano. Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as mãos vazias. Mas __ volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem. Só quando falha a construção, é que obtenho o que ela não conseguiu.
(Clarice, em A Paixão Segundo G.H.)

pensar disse...

Q lindo . E eu postei um q tem a ver com o teu.Olha la.bjs

Du disse...

Lindo... Parabéns, menina!

Marcelo Novaes disse...

Silencioso casulo
da inteireza. Às
vezes, bolha de
música que se
canta
solo.








Beijos,










Marcelo.

[ rod ] ® disse...

cala-se as mais vãs filosofias... e eis que surge o querer rente ao poeta... pronto a desabrochar-se. bjs moça.

Talita Prates disse...

para iluminar o vento
fica em silêncio

a palavra aguarda
um pássaro
no
teu coração

[maria azenha]

Bia Monteiro disse...

Mtas vezes o silêncio pode ser mto mais ensurdecedor do que o próprio grito, mas mtas vezes, totalmente indispensavel a alma e o coração, bem como profundamente necessário!

Tdo de bom... seu cantinho é lindo...
Bjos
=)

Adriana Godoy disse...

Lindo, lindo, lindo, o silêncio que grita! Beijo.

 
;