27 de ago de 2011 11 Declarações de outras almas

Da linguagem


Clique na imagem para ampliar.


Texto e edição meus.
Foto original aqui.
16 de ago de 2011 16 Declarações de outras almas

Do salto, queda, fim e náusea

, porque eu quero esquecer esquecer esquecer esquecer esquecer esquecer esquecer esquecer e eu admito ter que usar um monte de clichê para te dizer da minha revolta, que é tão apaixonada, e eu não acho difícil esquecer o que foi vivido; o pior é confiar no futuro, no que ainda é possível (ou não) de ser vivido depois de o vivido-de-fato ter me doído tanto e tanto e o sabor é tão amargo (juro que sinto um gosto amargo na boca ao escrever/sentir tudo isso), e eu abomino que você realize com a-que-não-sou-eu os planos que fizemos para nós dois - que pensassem em planos, rotas e lugares outros, porra!, você sabe a crueldade que é macular até um sonho? não, você não sabe, porque essa tua ingenuidade é egoísta e irresponsável, ah, como esse teu esforço de bondade me irrita!, como a labilidade dos teus lábios e afetos me convence!, e eu queria te ferir como eu fiz com os cartões que você me deu, que, amassados, nunca mais poderão prometer a ninguém o que quer que seja, nem mesmo um amor intenso e errado como foi o nosso, que serviu de 'experiência' para você e te abriu os olhos para um monte de coisa que você tinha o dever de ter olhado antes de me meter no meio da tua vida (esse amargo na boca me dá náuseas, assim como me enjoa reler as frases que você citou para mim e ouvir as músicas que você me ofereceu - não que eu o faça de propósito - por mim essas frases e canções poderiam desaparecer) e me vem uma ânsia legítima de te perdoar (me disseram que não é questão de perdão, mas eu já nem sei), mas o meu ódio te ama tanto que eu ainda não consigo, e eu só faço lembrar lembrar lembrar lembrar lembrar lembrar lembrar lembrar lembrar lembrar lembrar da urgência de te esquecer, para poder seguir adiante, como eu me/te prometi. e eu... e você... 
e o salto, 
e a queda,
e o fim,

t. prates, julho/2011.

14 de ago de 2011 7 Declarações de outras almas

Da ode à Eva


ave Eva,
cheia de curiosidade,
o senhor é convosco (ou não?),
bendita sois vós entre os humanos
e bendito é o fruto que comestes,
proibido.
mulher Eva,
cria de deus,
rogai por nós,
sedentos de saber,
agora e na hora
de nossa expulsão do éden, amém.

t. prates


“(...) grande pecado maior de não ousar o supremo
pecado, para se constituir humano e só, 
e divisar a face una e resplandecente, no
abismo oposto, que é feito de luz e de perdão!”
[Lúcio Cardoso, Crônica da Casa Assassinada]

"Não há outro pecado além da estupidez."
[Oscar Wilde]


Inspirado após leitura de "a culpa é da Eva", de Rafaela Figueiredo e no respectivo comentário do Bruno de Andrade.
Com licença poética e mariana, amém.
12 de ago de 2011 14 Declarações de outras almas

D'ocê


se eu acreditasse em um amor mais forte que a morte
se eu acreditasse em um amor mais forte
se eu acreditasse em um amor
se eu acreditasse
se eu
se
.

(não fosse o se,
eu teria escrito
um bonito poema de amor.)

t. prates

Imagem daqui.
 
;