21 de jun de 2011

Das minhas reformas ao já-dito


i.  A esperança é a última que vive.
ii. Tu não te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas, porque eternidade não é uma grandeza possível em escala humana.
iii. Ser ou não ser ou des-ser ou re-ser? Eis as questões.
iv. A vida é a arte do (des)encontro.
v. Não matarás. Mas mortes simbólicas são passíveis de exceção. Consulte seu terapeuta.
vi. Há mais ilhas de Lost do que supõe nossa vã filosofia.
vii. O quê os olhos não vêem, o meu coração intui.
viii. Enquanto houver vacas, não há porquê chorar pelo leite derramado.
ix. Me deixe só. Eu não tenho medo do escuro.
x.  Pode até ser que o inferno sejam os outros. Mas o céu está muito longe de ser o "nós mesmos".
xi.  Penso, logo desisto. (Essa eu roubei da Dri Godoy.) 
xii. Eu quase que nada sei, e ando desconfiada até daquilo que desconfio.
xiii. É preciso amar as pessoas como se não houvesse ontem.
xiv. Devíamos ter melhores meios para lidar com os fins.
xv. Lei da atração, que nada. O que funciona mesmo é a Lei de Murphy.
xvi. Fundamental é mesmo o amor-próprio. É impossível ser feliz cercado por uma multidão sem ele.

8 comentários:

Franzé Oliveira disse...

Adorei, kkkk.

Beijos.

Rafaela Gomes Figueiredo disse...

minha filósofa amada!...

(f)

Renata de Aragão Lopes disse...

Talita,
seu espaço ficou ainda mais lindo!

E faz tempo que repito isso:
como você escreve bem!

Beijo da amiga confeiteira,


http://docedelira.blogspot.com

Renata de Aragão Lopes disse...

Voltei pra contar:
dialoguei com seu texto! : )

Escrevi "Parábola do ser".

Fernando Lago disse...

Sempre genial, Ta!

Alicia disse...

Da série melhores tuites!

Felipe Carriço disse...

A xii é fantástica!

Mariana disse...

Simplesmente amo ler os seus posts!!! Neste vc se superou, excelente!!!!!!!

 
;