16 de jul de 2010

Da discordância



aprendi a desdenhar
da força das lembranças
dos amores findos


: das boas,
faço canção e componho sorrisos.

: às ruins,
esfrego na cara o poder do tempo.

procuro viver de presentes,
e ouso discordar de Adélia
*:
professo que:o que a memória amou
pode virar passado,
assim como a conjugação do verbo.

t. prates


*Adélia Prado,
para quem "o que a memória amou fica eterno".

> Imagem daqui.

52 comentários:

Lou Vilela disse...

Há quem defenda que as paixões são efêmeras e o amor perene, incondicional. Será? Observo que em dias de urgências os sentimentos ficam cada vez mais voláteis.

Beijos, fulô!

Edu disse...

srTa! (F)

Discordo da Adélia junto contigo...

eu e Thiago Ferraz, cantor e compositor local que lembra que "o que passou, passou, não volta mais"

Lembranças boas, são bem vindas as ruins, nem lembro mais.

Bjo!

Edu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciane Slomka disse...

Estou aqui, encantada, tentando ver o que faço dos meus verbos e dos meus amores findos e dos infinitos também. Que coisa linda, minha amiga. Queria um dia te conhecer pessoalmente e que a gente pudesse conversar de vida, poesia, psicologia e filosofia. Te admiro, guria!
Um beijo grande!

Marcantonio disse...

Muito bom. Um poema 'de cabeça erguida', que discorda afirmativamente. Mas entendo a Adélia. Não nos damos conta do passado que no move porque a memória também ama em silêncio e no escuro do inconsciente.

Beijo, Talita.

Lou Vilela disse...

Uma singela homenagem procê:
http://historiasreinventadas.blogspot.com/

Beijos

Í.ta** disse...

excelente poema, talita!
daqueles que nos fazem parar, reler, sentir, sentir, sentir. daqueles que cutucam o leitor.

beijo.

Danny disse...

Talita,
Belíssimo blog!!

Estarei sempre "Espionando" Por aqui...

Beijos tenha uma ótima semana..

>Dani

Renata de Aragão Lopes disse...

Tatá,

ouso discordar de Adélia junto contigo! Há memórias que se apagam - felizmente!

Um beijo e parabéns pela inspiração,

marinaCavalcante disse...

Caiu certinho,
feito luva, em mim.

Querida, parabéns!

Espero sua visita. Grande abraço!

Thalita Souza disse...

O tempo é o senhor da razão,adorei essa frase :''às ruins,esfrego na cara o poder do tempo''
Pois o mundo dá voltas,várias voltas em seu eixo.

Leonardo B. disse...

[há quem assente as suas pedras da sua casa, não no seu coração, mas em sobrado vão: o tempo encarrega-se de acumular nas suas caleiras, todas as chuvas do mundo... todas as memórias que souberam tornar a casa caruncho. Resistem, as que soubemos habitar com projecto e empenho no tempo!]

um imenso abraço, Talita

Leonardo B.

Marcelo Zaniolo disse...

Hoje, farei dois comentários:

O primeiro:
Acho que já tinha lido esse seu poema no Confrarias, não? E acho, também, que havia comentado algo. Mas, mais um vez, fiquei admirado com ele. É lindo! Conteúdo, plástica... Tens como poucos e poucas a capacidade de mesclar letras e sentidos, conferir beleza as frases e fazer pensar. Gostaria de te parabenizar de novo por tal capacidade. Teu blog é um dos que mais leio e mais admiro. Sinceramente.

O segundo:
Não me recordo de ter lido aquele poema que você comentou em meu blog, mas confesso que fiquei, novamente, maravilhado. O seu foi BEM superior ao meu, claro, mas o que mais me impressiona é o tema em si. Muito bem escrito, Talita! Excelente. Acho que as idéias realmente estão no ar! Hehe

Alias, obrigado por escrever e dar-me a possibilidade de lê-lá ;D

Tenha você também um ótimo fim de semana.
Beijo.

Adriana Karnal disse...

vc esfrega na cara o poder do tempo...adrei isso...vc é "mazinha"...rs

J.F. de Souza disse...

o que é Amor
não morre, não
: se contorce,
se revira
mesmo a sete palmos
do chão

=)

=*

[ rod ] ® disse...

A memória é este passado morto. Vítima das nossas necessidades.

Bjs sempre poeta e amiga!

Mirze Souza disse...

Adorei, Talita!

Concordo contigo. Se é para esquecer, há muito já o fiz.

Perfeito!

Beijos

Mirze

Lara Amaral disse...

Espero que essa sua versão seja maior, mais forte; há coisas que poderiam se eternizar menos dentro de nós.

Lindo, minha querida.

Beijos.

Ribeiro Pedreira disse...

"olhos nos olhos, quero ver o que você faz ao sentir que sem você eu passo bem demais"

(Chico Buarque de Holanda)

mas ainda há quem passe mal...

bjs!

Rodolpho Padovani disse...

"procuro viver de presentes..." acho que é só assim que se vive por completo... e vou discordar de Adélia contigo.

Bjs =)

Cacá disse...

Da concordância: Ouso concordar da primeira à última linha. E mais, ouso dizer que fiquei encantado. Abraço grande. paz e bem.

Lai Paiva disse...

Talita querida, que lindo, lindo, lindo. Ahhhh, preciso acreditar assim, que "o que a memória amou
pode virar passado,
assim como a conjugação do verbo." Bjs

Solange Maia disse...

dia desses quem sabe consigo fazer essa "desassociação" também ?!?!

texto lindíssimo, como sempre...

amo suas vírgulas...

beijo grande

Lou Albergaria disse...

O que a memória amou pode virar passado, mas a lembrança pode nos trair. E trai.

Seu blog é maravilhoso! Gostei muito de estar aqui. Conferi seus links e são realmente muito bons. O de Filosofia eu também já tinha em meu blog, os outros vou acrescentar, pois são muito bons e merecem ser visitados sempre, assim como o seu espaço.

Aprendi muito em pouco tempo por aqui.

Beijos!!!

Bárbara Rubim disse...

"esfrego na cara o poder do tempo"

Ah, nada como o tempo para nos curar das dores, de outros amores, de nós mesmos...

Lindo texto.

Beijo

Úrsula Avner disse...

Oi Talita,

adoro a Adélia e o que ela escreve, mas concordo com você, nem tudo é eterno no terreno das lembranças, embora ela possa ter pensado na questão do inconsciente quando escreveu isso, porque ainda que venhamos a esquecer fatos e pessoas do passado ou presente, sabemos que o inconsciente guarda todas as memórias, mesmo as que queremos apagar... Bj com carinho,

Úrsula

Moni. disse...

Tá... Quando eu crescer, quer ser/pensar assim, viu?

Lindo, maduro, consciente... invejável!

Fã demais!!!

Beijos e ótima semana!

Mary Pereira disse...

Ah...

lindo!

Sempre bom (me)encontrar (em)suas palavras.

Beijo.

Paulo Rogério disse...

Ficarei com a verdade empírica de ambas, e quando puder, formularei uma terceira.
Sem dúvida, é admirável essa sua filosofia, e que lhe traz muito bom senso. Nem todos conseguem tal grau de sublimação, num mundo movido pelas paixões!
Beijo!

Rafaela Figueiredo disse...

lindo, florinha!

uma oração a nós - devotos do amor...

beijo

Everton Augusto disse...

Mais uma vez simples, direta e concisa.
O que o tempo cicatriza nem mesmo a memória pode resgatar. E mesmo que ela o faça, isso nos vem sem intensidade, nublado, em tons de cinza...
Abraço de paz!

Sylvia Araujo disse...

"Que seja eterno enquanto dure"

Lindo, lindo, Talita!

Beijoca

Matheus W. disse...

Me confundistes, agora já não sei mais o que acho, sempre concordo com as poesias, os versos sempre acertam, mas agora colocastes um contra outro, como posso me decidir?

Acho que ficarei com a dúvida, antes ela que um monte de certezas inúteis!

Felipe Carriço disse...

Tudo pode e vai virar passado.

(acho que nunca vim até aqui. voltarei mais vezes!)

MeiOculto disse...

Lindo texto... é bom ter equilíbrio das coisas; e acreditar que podemos tirar boas coisas mesmo das experiências ruins, ao menos para nos tornarmos melhores e mais fortes diante das tribulações da vida.

Bjos menina

Marcos Satoru Kawanami disse...

eu sinto a realidade distorcidamente, percebi isso por comparação; então, será que o que escrevo não retrata a verdade?

foi humilhante o dia em que tomei ciência de que sou alheio ao mundo.

eu não entendo o que as pessoas sentem, o apego, o amor, essas coisas. lembro o verso da Cássia Eller: "eu sou poeta, e não aprendi a amar".

entendo conceitos, mas não sinto o que vejo o povo sentir; acho que foi um calo que se criou no meu senso-afetivo durante uma adolescência de sofrimento e silêncio.

a tua foto do perfil está compreensível agora.

eu morei em Dumont, 17Km de Ribeirão.
Marcos

Fabio Rocha disse...

Passado e futuro são perda de tempo...

Eduardo Trindade disse...

Há momentos e sentimentos que é imperioso que virem passado - apenas assim podemos nos presentear com o futuro. Mas o passado não implica esquecimento, certo? Talvez aí resida o significado do "eterno"; eu, pelo menos, não consigo controlá-lo tão habilmente quanto diz o teu (lindo) poema.

Franzé Oliveira disse...

Tem tempo que discordo, as vezes só por discordar. Há tempos que aceito tudo, as vezes só por aceitar.
E a vida segue aqui e acolá.

Beijos.

Moni disse...

Eu tambem vou prender a desdenhar
Quem não me da valor
De quem me usou
De quem me iludiu
Desdenho é o pior sentimento de desprezo

Talita Prates disse...

Lou, defendo que o amor não precisa ser eterno para ser amor. Bjo, flô querida!

***

Du, um viva à nosso discordância compartilhada! rs. Bjo, querido.

***

Lu, guria linda, também te admiro e também quero um dia poder conversar com você de forma além-virtual! Obrigada por vir, e um bjo!

***

Marcantônio, sim! O inconsciente! Eis a "falha" da minha discordância e o acerto de Adélia... Grata pela partilha. Bj!

***

Ita, eu te cutuco porque me cutuquei primeiro! rs. Um bjo, e obrigada!

***

Danny, seja muito bem-vinda! Fique à vontade! Um bjo.

***

Re, se não se apagam, pelo menos perdem muito a força! Um bjo, amiga!

Talita Prates disse...

Marina, que bom que você se identificou. A poesia tem disso... Um bjo!

***

Ah, xará, sim: o mundo dá voltas e faz o tempo agir! Obrigada pela visita. Um bjo!

***

Leonardo, de quantas memórias-caruncho não somos feitos! Concordo contigo. =/ Abraço outro!

***

Marcelo, quão gentil você é! Fico MUITO feliz que a minha alma possa prosear com a tua! Um bjo grande! = )

***

Adriana, "mazinha"?! Nunca tinham dito isso de mim: e eu adorei! hehe. Um bjo!

***

J.F., acho que pode morrer sim... Ou não?! =/

***

Rod, sempre honrada em te ver por aqui. Um bjo, moço super querido!

Talita Prates disse...

Mirze, agradeço a visita e o comentário! Um bjo!

***

Larinha, eu também espero... Beijos, minha flor.

***

Ribeiro, obrigada por me lembrar dessa maravilhosa canção! Um bjo.

***

Rodolpho, também acho que só de presentes se vive por completo. Do passado e do futuro só temos pedaços. Bjos!

***

Cacá, concordamos, então?! Que gentil! Um bjo.

***

Lai, é possível. Falo por experiência própria. Um bjo, linda!

***

Solange, obrigada por vir! Como disse acima à Lai, acho mesmo que é possível. Bjo!

***

Lou, fico imensamente feliz e grata por suas palavras! Obrigada por vir ! Esteja sempre à vontade. Beijos!!!

Talita Prates disse...

Bárbara, sim: ele é um grande aliado! Obrigada pela visita. Um bjo!

***

Úrsula, de fato... Como eu comentei acima com o Marco Antônio, no que se refere ao inconsciente está a "falha" da minha discordância e o acerto de Adélia... Outro beijo carinhoso, querida.

***

Moni, o melhor é trocar tais figurinhas! Quantas vezes não saio do teu blog com a mesma sensação?! SOU FÃ DEMAIS! Um bjo, queridíssima!

***

Mary, sempre maravilhoso te receber por aqui! Bjo, psi!

***

Paulo, concordo com a necessidade de uma "terceira", 'só' e tão tua! Obrigada pela visita! Beijo grande.

***

'Fa-lóri, amém pra nós. rs. AMOOOOO! Bjins! ; )

***

Everton, perfeito! O tempo, se não apagada toda a imagem, pelo menos descolore! Adorei essa construção! Um bjo, e obrigada por vir.

***

Sylvia, Vinícius sabia das coisas... rs. Um bjo!

***

Matheus, que você encontre o teu caminho e que as dúvidas permaneçam para te dar novas perguntas! Um bjo!

***

Talita Prates disse...

Felipe, um dia, de fato, tudo acaba. Seja muito bem-vindo! Bjo.

***

MeiOculto, concordo contigo! Agradeço imenso a visita. Um bjo.

***

Marcos, agradeço a visita e comentário, depois de tanto tempo. Abraço.

***

Fabio, por isso viva o presente! \o/

***

Eduardo, tenho conseguido descolorir as memórias que me fazem sofrer. Com habilidade? Ainda não sei... O próprio tempo dirá. Um bjo!

***

Franzé, boa... rsrsrs. Um bjo!

***

Moni, agradeço a visita. Um bjo!

Cacá disse...

Eu como tenho uma fama (injusta, rsrs) de conciliador, vou comentar com um pensamenteo de Isabel Allende, que acho corroborar com o que acredito: "É a perda da memória, e não o culto à memória, que nos fará prisioneiros do passado".
Talita, eu não me canso de dizer que você é ótima! Adorei! Abraços. Paz e bem.

Maria João disse...

Talita

Fazer das boas lembranças, uma canção e compor sorrisos, é a melhor decisão. Sempre!!
Quanto às más, o tempo é único capaz de lhes adoçar o fel que nos amarga a boca.

Um beijinho

Talita Prates disse...

Cacá, cá estou refletindo sobre a frase de Allende... Obrigada por dividi-la comigo. E eu não me canso de dizer que você é muito gentil! Um bjo, boa noite!

***

Maria João, muito bom te ver por aqui! Obrigada pela partilha. Um bjo além-mar!

Pedro Paulo disse...

:)

Talita Prates disse...

Pedrinho, (F)!

J.F. de Souza disse...

se é Amor de fato, não morre.
se morre,
não é Amor:
é quimera qualquer
a zombar de nós,
tolos que somos

se é Amor de fato,
não morre.


[E não é que ela respondeu TODO MUNDO???]

Julio César Carvalho disse...

E pela conjugação do verbo os amores passam, em qualquer tempo!!

Bela reflexão!!! Gsotei!!!

 
;