23 de mai de 2010

De feridas e belezas


esperar pelas flores
e saber possível a ferida pelo espinho

esperar pelo espinho
e saber possível a beleza das flores

nada esperar
- oxalá minh’alma com isso se contentasse

...

expectativas
: é possível calá-las
em nome de uma espera nua pelo porvir?


t. prates


Da não-espera acontecem as flores.
(Orides Fontela)

29 comentários:

Nydia Bonetti disse...

Não esperar é quase santidade. Bem poucos atingem este estado de não espera de onde brotam flores.
L I N D O! Beijo, Talita.

Lara Amaral disse...

Concordo com a Nydia.
Saber deixar as coisas virem naturalmente é um dom.

Beijos.

José Carlos Brandão disse...

Repito meu verso do peru (de um poema chamado O Peru):
A dor é a véspera da beleza.

Ana Marques disse...

Não, minha querida.

Não se cala a expectativa.

No máximo, a reconhecemos e damos a ela o sentido de "nossas", para não nos magoarmos através delas com mais ninguém.

beijo doce

Tiago Moralles disse...

Esperar?

Marcelo Zaniolo disse...

Em quais outros blogs tu escreve?
Juro seguir todos! Hehe

(digo isso porque conheci teu trabalho hoje no confraria dos trouxas!)

Mas, mais uma vez (aqui e lá) parabéns pelas palavras.

Excelente texto.

Beijos

Fulvio Ribeiro disse...

Bom dia..

verdadeiramente "oxalá minh’alma com isso se contentasse".
Ótimo, Parabéns.
Grande Abraço.

Renata de Aragão Lopes disse...

Lembrei-me
de algo que escrevi recentemente:

"Talvez a expectativa
seja o erro."

Mas como nos livrarmos dela,
afinal?

Um beijo,
doce de lira

http://docedelira.blogspot.com/2010/04/o-erro.html

Renata de Aragão Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Moni. disse...

Como disse a Rê, talvez seja a expectativa, um erro.

Mas calá-la... Não sei...Ato evoluído demais pra quem vê na espera a possibilidade do sorriso mais franco...

A grande mágica reside, penso, não em anular a expectativa, mas em tirar o melhor proveito do "porvir": flor ou espinho...

Lindo, Tá. Como sempre, lindo!

Matheus W. disse...

Huadasdhuashu

Lindo e engraçado!
adorei!

Keep writing!

Maçao Filho [Delos] disse...

Belas e verdadeiras palavras. Quem nunca quis calar as próprias expectativas? Mas o mundo do que é real e concreto não seria limitado demais sem o abstrato pra complementá-lo?

"Seria tão bom se pudéssemos nos relacionar sem que nenhum dos dois esperasse absolutamente nada, mas infelizmente nós, a gente, as pessoas, têm, temos - emoções."

[Caio Fernando Abreu]

Julio César Carvalho disse...

Enquanto se espera...
se acredita
se almeja
se ambiciona
se anseia
se confia...

Romper com estas realidades é "des-espero"
Como calá-las? Me dá a receita? Eu quero!!

Lindo, concreto e verdadeiro!!
Parabéns!! mto bom!!!
Gde bjo!!

Mirze Souza disse...

Maravilha, Talita!

Pura filosofia em lindos versos!

Juro que eu sabia essa arte da espera. Não sei aonde deixei...


Parabéns, amiga!

Beijos

Mirze

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá.

Quando as palavras
nos acariciam o espírito,
é porque elas
encontraram os seus sentidos.

Lindas as palavras semeadas
neste espaço
de idéias e sentimentos.

Que haja sempre em
teu coração espaço
para os sonhos.

[ rod ] ® disse...

Expectativas corroem a alma e o literal coração! [Desativei esta função.]

Um bj moça.

Maria João disse...

Na improbabilidade dos dias, as certezas são apenas expectativas seguras, com flores e espinhos à mistura.

Muito bom!

Beijinho

Rafaela Figueiredo disse...

é inato, florinha; não há como fugir...
contudo é um bom exercício.

beijos com saudade

leonel disse...

Ei, Talita! Vivemos numa espera cíclica por aquilo que nossos braços não conseguem alcançar.

Gostei de cá. Volto mais vezes!

Abraço do Leonel.

Vagarosa disse...

oxalá abençoe este (re)canto.


que prazer encontrar Nydia aqui :))
gostei daqui.
e de suas fotografias :))

Henrik disse...

Calar uma expectativa é como calar um desejo: apenas nos frusta.

sopro, vento, ventania disse...

querida,
reproduzo parte do que escrevi nos blogs de Rafa e de Mar, também para você.

"tenho deixado de cuidar das sementes, né? eles não morreram, eu sei, pois sabem perdoar a ausência de água.
escreverei sobre isso no blog, um pedido de desculpas, uma maneira de aliviar a culpa…"

Ando cerebrando tanto a docência que tenho esquecido de dizer do amor a quem amo, sendo assim, linda, desculpas, ok? sinceras...
mas o coração mantém-se aqui, ó, batendo de alegria por ter você por perto.

beijo grande,
Cynthia

sopro, vento, ventania disse...

ops... é 'celebrando', ok? mas até que, pelo tanto que meus neurônios andam se ocupando de, caberia cerebrando tbm (no figurado - rs).

beijos,

Fouad Talal disse...

quem espera
vira era
quem age
vintage

beijo.

Marcantonio disse...

"esperar pelo espinho
e saber possível a beleza das flores"

Ora, ora, tenho aqui uma expressão poética para o meu credo de pessimista esperançoso!

Com relação à pergunta que fecha o poema: não. Mas tentemos: vamos vestir a nudez da espera com a roupa do dia, e o porvir é que ficará nu.

É, sua alma tem histórias para contar.

Abraço!

Jackie Kauffman Florianopolis-SC disse...

Também estou a espera nua do porvir.Será que ele se mostrará para mim??

Sr do Vale disse...

Talita, vim pelas mãos de Lara.
Parabéns pela escolha das fotos para compor as postagens, mas principalmente pela sua fala através das poesias que de uma forma simples atinge outros horizontes, mas também parabéns pela sensibilidade musical que há em você.

abraços.

Sylvia Araujo disse...

Ah, eu bem queria. Mas ainda aqui, não.

Te sigo e linko, como não podia deixar de ser. Eu sou meio assim: quando gosto, amo.

Beijoca

Sandrio cândido. disse...

esperar, eis algo que dificilmente se aprende. quem espera por algo sempre recebe algo diferente ou será que é apenas o nosso desejo que impede nos de ver o que esperamos chegar.

 
;