26 de jan de 2013

Do amor conhecido

 
e se você não tivesse me segurado a mão
com a delicadeza de quem lhe conhece as feridas antigas,

e se você não me dissesse da emoção dos teus olhos
sempre que eles me alcançavam os lábios,

e se você não me ensinasse que a saudade
nos mata antes um pouco como preço para ser morta,

e se você não me causasse tantos clichês irritantes

e palavras e sentires que eu jurei jamais usar,

e se teu beijo não tivesse me ensinado a tua língua,
fazendo-me, sem ela, estrangeira no meu próprio corpo-pátria,

teria eu conhecido o amor?
 
t. prates

9 comentários:

Alessandra disse...

...Ou então, teria ele outra forma de amá-la?

Sou sua fã Talita. Me derreto com seus escritos <3

Loridane Melchior disse...

Suspiros Ta. Suspiros.

E nessa alma G que você veste, sempre tem um lugarzinho para a minha.

"teria eu conhecido o amor?" - a pergunta está ecoando aqui dentro do peito e silenciosamente farei de conta que desconheço a resposta.

Um beijo com todo carinho.

Ps: É a terceira vez que tento comentar. Sim, sou teimosa. Beijo Blogger.

Natália Oliveira disse...

Simples e lindo, como o amor. :)

Sabrina Andrade disse...

Saberia eu a resposta?

Poeta da Colina disse...

O amor todo mundo tem, apenas se reconhece.

Fabrício César Franco disse...

Poetisa,

Como é bom voltar aqui e ler que, apesar desse hiatos, você não nos abandonou.

Um beijo!

Rafaela Figueiredo disse...

Sempre expresso um palavrão ou algo do tipo: :-O ao terminar de ler teus poemas.
É feio o modo, mas é sincera a admiração indescritível - por isso, quase onomatopaica.

Te beijo, florinha saudosa!
(L)

Ludmila Melgaço disse...

"e se teu beijo não tivesse me ensinado a tua língua,
fazendo-me, sem ela, estrangeira no meu próprio corpo-pátria..."

Pode viver isso AGORA?
Lindo, me apaixonei do início ao fim.

Mayumi Winterheart disse...

Me identifiquei muito...! (:

 
;