31 de dez de 2012

Da notícia de certas coisas



(minha alma precisa te dizer coisas
as quais me parecem não querer ser comunicadas
- pela palavra, soariam vagas e dúbias
- pelo corpo, violentas e sem a sutileza que exigem.
resta-me desejar, na esperança de um meio-termo,
que os teus olhos compenetrados e febris
alcancem nos meus,
como que por sintonia mágica e muda,
a revelação secreta e contundente
da notícia que nem mesmo eu sei me dar.)
 
t. prates

5 comentários:

Ana Polo disse...

Que poesia mais bela! Me encantou, de verdade!

Feliz ano novo!

Beijos, Ana

Meu cantinho: http://www.olacocorderosa.com/

Poeta da Colina disse...

É impossível não ser o que não dizemos.

Alicia disse...

o indizível me dando tapas na cara.

Silvia Prata disse...

Super sutil o seu modo de contar sobre esse encontro de mãos, de olhos, de bocas... É sempre o amor, que mora permanentemente nas coisas bonitas de se ler...

Fabio Rocha disse...

:)

 
;