10 de out de 2010

Do inVento

invento um
   vento que sopra embora as cinzas dessa dor
                           embora as cinzas dessa dor
sejam o ponto de partida dessa força que me
                                             força a seguir e a me
re-inventar nas idas e vindas desse poema dessa

                                vi(n)da que não para e por vezes me
que-
      bra e faz pe
                     da
                     ços com os quais monto
mo sai cos
                                                        cos mo sai
                                                        sai cos mo

e que, apesar da aparência es   /   qui   /   zo
me trazem algum sentido
(o sentido!, meudeus)
e consigo descobrir na des-ilusão os pedaços de verdade que eu tanto procuro.
e sigo.
   sempre avante
                             sempre avante
                                                       sempre avante
                                                                                  sempre avante

Nenhum comentário:

 
;