29 de jun de 2011 6 Declarações de outras almas

Do poder aquém


quero o sentimento subversivo,
que contrarie até a mim.
    queria não te pensar,
    mas trago o silêncio prolixo.
quero que essa alegria frágil
se transforme em angústia domada.
    queria o sorriso dos loucos
    que sabem que a vida é tão depressa.
quero o arpejo das cordas
que preenchem o espaço de infinito.
    queria a difícil aprendizagem
    de que a pausa na pauta também é música.
quero o céu de um azul obsceno,
mas é noite de estrelas recatadas.
    queria querer o que posso
    mas eu sempre quero além.

t. prates
27 de jun de 2011 3 Declarações de outras almas

Do que é reto e possível


Todo mundo tinha que ter um caminho que fosse um retão... 
Por que tanto desvio?
|eduardo prates|


Estradas
                    nunca           retas.
                                são
Reta - apenas - pode ser a intenção do passo.

t. prates
21 de jun de 2011 8 Declarações de outras almas

Das minhas reformas ao já-dito


i.  A esperança é a última que vive.
ii. Tu não te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas, porque eternidade não é uma grandeza possível em escala humana.
iii. Ser ou não ser ou des-ser ou re-ser? Eis as questões.
iv. A vida é a arte do (des)encontro.
v. Não matarás. Mas mortes simbólicas são passíveis de exceção. Consulte seu terapeuta.
vi. Há mais ilhas de Lost do que supõe nossa vã filosofia.
vii. O quê os olhos não vêem, o meu coração intui.
viii. Enquanto houver vacas, não há porquê chorar pelo leite derramado.
ix. Me deixe só. Eu não tenho medo do escuro.
x.  Pode até ser que o inferno sejam os outros. Mas o céu está muito longe de ser o "nós mesmos".
xi.  Penso, logo desisto. (Essa eu roubei da Dri Godoy.) 
xii. Eu quase que nada sei, e ando desconfiada até daquilo que desconfio.
xiii. É preciso amar as pessoas como se não houvesse ontem.
xiv. Devíamos ter melhores meios para lidar com os fins.
xv. Lei da atração, que nada. O que funciona mesmo é a Lei de Murphy.
xvi. Fundamental é mesmo o amor-próprio. É impossível ser feliz cercado por uma multidão sem ele.

15 de jun de 2011 12 Declarações de outras almas

Do quase-surto quase-cartesiano


penso, logo piro.
(E não descartes 
o oposto
: e pensar que a gente pensa 
para não pirar
e provar que
existe!)

t. prates


Os deuses são deuses
Porque não se pensam.
[FernandoPessoa/RicardoReis]
8 de jun de 2011 12 Declarações de outras almas

Do fingir autêntico


, como se tudo o que eu soubesse fosse fingir.
mas não é um fingir hipócrita, de intenção pensadamente enganosa. (quem dera fosse engano.)
é um fingir autêntico. desesperado. resiliente.
finjo palavras. forjo sentires.
finjo sorrisos. forjo desamor.
mas não é um desamor autêntico, de motivação intrinsecamente odiosa.
é um desamor hipócrita. falso. fingido.
eu forjo desamor para tentar fingir que a vida segue inócua. sem rasuras. remediada.
mas eu (te) amo.
(você não me ensinou a desamar.)

(A noite vem.)
A noite vem.
e quando cessam as luzes, os sons, as imagens, as esperanças, não se foge à solidão.
solidão é imune ao escuro.
e eu, cansada e inteira, lembro-me que eu havia fingido.
fingido para escapar. para (sobre)viver. para me misturar às matizes do dia para enganar a dor.
(Mas a noite vem.)
E olho, desa(r)mada, os olhos que antes sorriam - hipócritas. Hipocrisia me faz chorar.
(De tanto fingir, quem sabe um dia eu me surpreendo com a cura. Até lá, preciso seguir distraída.)

Amanhã tem dia.
É preciso que os olhos estejam secos.

t. prates



"O anel que tu me deste
era de vidro e se quebrou
e o amor não acabou,
mas em lugar de,
o ódio dos que amam."
[Clarice Lispector
na crônica Tempestade de almas]

Imagem daqui.
2 de jun de 2011 32 Declarações de outras almas

Do verbo 'saudade'


trago em mim

saudades pretéritas
: perfeitas,
imperfeitas
e mais-que-perfeitas.

saudade é,
em mim,
um verbo (!)
de ligação
no infinit(iv)o.

t. prates

 
;