26 de fev de 2010 34 Declarações de outras almas

Da relação com a coisa



compôs uma música
que soou doce para os românticos,
tola para os duros,
indiferente para os surdos.

talvez o deus
também assim seja,
(amém)
: providente para os crentes,
inexistente para os céticos,
intocável para os neutros.


t. prates
24 de fev de 2010 35 Declarações de outras almas

Dos achados

Ela queria contemplar toda a largueza alaranjada do horizonte distante. (Achava um dos momentos mais sensuais da natureza esse encontro mentido entre céu e terra ao entardecer.)
Não queria ser dessas pessoas que decidem o que querem encontrar antes mesmo de sair à procura.
"Felicidade é desfocar", deduzia.
E isso nada tinha a ver com a questão toda e depreciada e combatida de falta de metas e objetivos e sonhos.
É que assim os achados se tornam sempre surpreendentes, à revelia da dor ou prazer que possam causar.

t. prates




"Dá-me luz, ó Deus do tempo!
Nesse momento menor
pr'eu saber seu redor.
A gente quer ver
horizonte distante."
(Marcelo Camelo,
Los Hermanos)
Imagem daqui.
14 de fev de 2010 39 Declarações de outras almas

do fruto da vida


adeus dará
ao costume quase ritual
do esforço mínimo
de apenas
orar-a-ação,
prescindindo da vida
face à esperança
da promessa
do porvir?

a deus dará
o paterno fortúnio
de já gozar a vida
- e vida em abundância
no reino
que já é desse mundo,
pois que, onipotente,
também é dele
o reino das terras?

ao deus-dará,
caminha sobre prados
ora verdejantes, ora secos;
serve-se das águas
ora tranquilas, ora revoltas.
tem o maior presente
dentro de si:
o sopro de vida
- e o fado da liberdade.

oxalá ouvísseis a voz do deus:
e porque estreita é a porta,
e apertado o caminho que leva à vida,
e poucos há que a encontrem*.

t. prates

*Mt 7,14


>>> <<<


"Escuta. Eu estava habituada somente a transcender. Esperança para mim era adiamento. (...) Eu tinha tão pouca fé que havia inventado apenas o futuro, eu acreditava tão pouco no que existe que adiava a atualidade para uma promessa e para um futuro. (...)

Sei que é perigoso falar na falta de esperança, mas ouve - está havendo em mim uma alquimia profunda, e foi no fogo do inferno que ela se forjou. (...) Mas ouve um instante: não estou falando do futuro, estou falando de uma atualidade permanente. E isto quer dizer que a esperança não existe porque ela não é mais um futuro adiado, é hoje. Porque o Deus não promete. Ele é muito maior que isso: Ele é, e nunca para de ser. (...)

Sei que o que estou sentindo é grave e pode me destruir. Porque - porque é como se eu estivesse me dando a notícia de que o reino dos céus já é. (...)

Pois prescindir da esperança significa que eu tenho que passar a viver, e não apenas a me prometer a vida. E este é o maior susto que eu posso ter. Antes eu esperava. Mas o Deus é hoje: seu reino já começou."

(Clarice Lispector, A paixão segundo G.H.)

Imagem daqui.


3 de fev de 2010 15 Declarações de outras almas

Da estréia

É com grande alegria que estreio hoje como poetisa-colaboradora do blog maria clara simples mente poesia.
Mais um capítulo da história da minha alma nesse novo tempo.
E outras inacreditáveis novidades estão a caminho!

Para ler o poema, clique na imagem:


Aguardo sua visita e comentário!
Abraços gratos,
Talita.
1 de fev de 2010 36 Declarações de outras almas

Da novidade

Tenho aprendido
a amar de um jeito novo,
a sofrer de um jeito novo,
a esperar de um jeito novo.
A ser humano com novidade.



“Aprende-se quando já não se tem como guia forte
a natureza de si próprio.
Lóri, Lóri, ouça: pode-se aprender tudo, inclusive a amar!
E o mais estranho, Lóri, pode-se aprender a ter alegria!”
(Clarice, em "Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres")
 
;